Agrupamento de Escolas de Maximinos
Escola Secundária de Maximinos
Escola Básica 2/3 Frei Caetano Brandão
Centro Escolar de Maximinos
Centro Escolar da Naia
Escola Básica 1º ciclo/J. Infância de Estrada
Escola Básica 1º ciclo da Gandra
Centro Escolar de Gondizalves

ESCOLACOMVIDA.jpg

Na sequência da decisão da Direção de cancelamento da edição da revista do Agrupamento, Andarilho, dadas as circunstâncias de isolamento social devido à COVID-19, procedemos, aqui , à divulgação de trabalhos que resultaram de projetos desenvolvidos nos diferentes níveis de educação/ensino.

Começamos por privilegiar as reflexões de alguns alunos, que traduzem as vivências/experiências deste tempo em que temos de ficar em casa, para evitar o contágio, nomeadamente os sentimentos e as emoções, as atividades que realizam para ocupar o tempo e, até, as alterações no modo de sentir e de pensar o futuro!

   

 

Aprendizagens e Cidadania

 

ECO-ESCOLAS: Um Projeto Interdisciplinar Voltado Para o Exterior

O Projeto Eco-Escolas tem assumido, nas diversas atividades que promove, a formação integral dos nossos alunos. Agir em prol de um desenvolvimento sustentável exige um cidadão responsável, interventivo e humanista, mais preocupado com os outros do que consigo mesmo. Sim, porque as más opções ambientais de hoje terão consequências num futuro mais ou menos próximo!

Este projeto desenvolve um olhar crítico sobre o meio local e nacional. Fomenta a participação e a colaboração direta dos alunos e das suas famílias, contribuindo para o fortalecimento de relações e do sentido de pertença à Escola. A educação ambiental está interligada à educação para a saúde e para as questões sociais, numa clara simbiose entre os conteúdos científicos, os tecnológicos, os artísticos, os literários e os valores cívicos. Assim, nas atividades dinamizadas, os momentos de lazer e as aprendizagens das diversas disciplinas encontram-se de mãos dadas. Os diferentes Clubes e a Biblioteca Escolar têm contribuído muito para que as ações deste projeto possam ser concretizadas. Aliás, este projeto não existiria sem as diversas parcerias internas e externas!

 

 

   Exemplos de atividade realizadas em parceria:

     - Dia da alimentação (CN, CeD, BE e DECO);

     - Dia da floresta autóctone (Clube da Horta, CN e CMB);

     - EcoNatal (EV, OA, CN, BE e Clube da Solidariedade);

     - Campanha de recolha de recipientes de plástico e de papel para a Refood (Port, CeD, BE e toda a comunidade educativa);

     - Feirinha solidária (Clube da Solidariedade, Horta escolar, BE e toda a comunidade educativa;

     - Conselho Eco-Escola (representantes dos órgãos de gestão, da autarquia, dos alunos, da associação de estudantes, assistentes operacionais e dos Encarregados de Educação);

     - Concurso Super-Ecológico (toda a comunidade educativa e diversas empresas).

  

 

 

CampanhaRefood.jpg

Campanha para a Refood

 

Divulgação_do_Projeto.jpg

Divulgação do Projeto

  

FeirinhaSolidaria

Feirinha solidária

 

PlantaArvores.jpg

Plantação de árvores

 


 

yawye

 

CRIANÇAS E JOVENS CONSOMEM DEMASIADO AÇÚCAR

 

No âmbito do projeto Erasmus+ YOU ARE WHAT YOU EAT, (Tu és o que comes), foi realizado um estudo sobre os HÁBITOSALIMENTARES dealunos e professores da EB 2/3

yawye2

 Frei Caetano Brandão, do Agrupamento de Escolas de Maximinos.

Dos resultados obtidos destaca-se que 75% da população inquirida ingere produtos açucarados em excesso, entre os quais refrigerantes, produtos de pastelaria e outros doces.

O consumo excessivo de açúcar está diretamente relacionado com o excesso de peso/obesidade, o desenvolvimento de doenças crónicas (doenças cardiovasculares, hipertensão, cancro e diabetes) e a ocorrência de cáries dentárias.

No referido estudo, foram ainda identificadas algumas carências alimentares como o baixo consumo de produtos hortícolas, peixe, fruta e a reduzida ingestão de água.

É urgente que sejam tomadas medidas que estimulem crianças e jovens a adotar hábitos alimentares saudáveis e sustentáveis, complementados com a prática regular de atividade física. Uma opção saudável e inteligente contribuirá para a diminuição do consumo de açúcar e de gorduras e para o aumento da ingestão de produtos hortícolas, de fruta e de água.

As escolhas alimentares de crianças e jovens estão fortemente condicionadas pelo contexto familiar. Nesse sentido, é imprescindível o envolvimento das famílias na prevenção de comportamentos desadequados e na aquisição de hábitos saudáveis, que se mantenham ao longo da vida.

 

Recomendações da Associação Portuguesa dos Nutricionistas:

1. Começar sempre o dia com um pequeno-almoço equilibrado e saudável;

2. Fazer cerca de 5 a 6 refeições por dia;

3. Não fazer intervalos entre as refeições superiores a 3h30;

4. Comer pelo menos 3 peças de fruta por dia;

5. Iniciar sempre o almoço e o jantar com um prato de sopa de legumes e/ou hortaliças;

6. Mastigar os alimentos devagar e num ambiente calmo;

7. Evitar o consumo de produtos açucarados e com muita gordura como bolos, doces, rebuçados e gomas, chocolates, batatas fritas, pizzas, cachorros e refrigerantes;

8. Utilizar uma baixa quantidade de sal nas confeções culinárias e privilegiar o uso de ervas aromáticas e especiarias para o tempero;

9. Beber diariamente pelo menos 1,5 l de água;

10. Aliar uma alimentação saudável a uma prática diária de atividade física moderada.

Professora Vânia Araújo

 


 

 

A alfarroba: o que é?

 EdEspecial1

EdEspecial2.jpg

EdEspecial3.jpg EdEspecial4.jpg

 

EdEspecial5.jpg

 


 

 

Leonor_Sousa_JI_Naia.png

Leonor Sousa, JI Naia

 

Em Educação Visual, os alunos do 6º ano contribuíram para a produção de um painel em papel, tendo por base a azulejaria típica doBarroco que ornamentava edifícios civis e religiosos.

Os alunos fizeram uso focalizado da internet para fazer as suas escolhas. Os motivos recolhidos e fotografados deram origem a fotocópias que foram, depois, reproduzidas com lápis de cor, com marcadores ou com tinta da china azul, em papel cavalinho, na sala de aula.

Com um misto de aleatoriedade e cuidado, os professores colocaram e combinaram os desenhos dos alunos num outro suporte de papel, este de cenário. O produto final do trabalho individual expressa o empenho e a dedicação ao longo das diferentes fases do projeto. O resultado foi a construção de um painel coletivo que permitiu viajar no tempo, marcar um espaço escolar e aumentar os índices de pertença e autoestima de cada um dos alunos envolvidos.

Professores Francisco Silva e Teresa Machado

 

 

foto1_pBarroco.jpg

 

 

Reinventando a Escola

Para corresponder às exigências do mundo atual, totalmente dominado pela presença das tecnologias da informação e da comunicação, a Escola precisa de se reinventar diariamente. Se assim não o fizer, corre o risco sério de estar a contribuir para a alienação dos alunos face à aprendizagem.

Demonstrar que aprender ainda continua a ser divertido, passa, indubitavelmente, pela mudança de práticas, pelo desenvolvimento de dinâmicas que envolvam, nas aprendizagens, as ferramentas digitais que são hoje a realidade dos jovens.

Apesar de a BE se centrar na promoção do livro e da leitura, o suporte de leitura e a metodologia a seguir no desenvolvimento da competência leitora obrigam a uma dinâmica de trabalho colaborativo e, paralelamente, à concretização de atividades em espaços atrativos e cativadores.

É esta a preocupação da equipa da BE do AEMaximinos: cativar cada vez mais leitores; promover, junto dos jovens, as literacias da informação e desenvolver competências digitais importantes em contexto escolar e, também, na vida pessoal.

A pensar no modo como se podem ultrapassar barreiras para se chegar à concretização do objetivo, a BE procura estar atenta a projetos financiados pela RBE, apresentando candidaturas que são uma mais-valia para os nossos alunos. Deixamos, aqui, alguns testemunhos que justificam a pertinência do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido.

  • Projeto Eles Movem-se! - no âmbito do programa Leituras… com a biblioteca, da Rede de Bibliotecas Escolares.
    A implementação do projeto materializou-se na realização da webquest - Vamos mudar o mundo? - a partir da obra literária História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luís Sepúlveda, a qual implicou a realização de várias tarefas de forma integrada, articulada e colaborativa, nas disciplinas de Português, Geografia, Cidadania e Desenvolvimento, Expressão Dramática e Biblioteca Escolar (BE). Estas tarefas privilegiaram a utilização de diversas aplicações e ferramentas digitais (Free Logo Maker, Superstickies, Kahoot, Learningapps, Google Forms, Classtools, …), a apresentação de vídeos e de tutoriais e o recurso a computadores e tablets, culminando no lançamento de uma campanha de embalagens plásticas reutilizáveis, em Cidadania e Desenvolvimento, norteada pelos princípios inerentes aos Objetivos Globais do Desenvolvimento Sustentável. A segunda Webquest do projeto - Vamos viajar pelo mundo? - teve como base a obra Leandro, o Rei da Helíria, de Alice Vieira. Os conteúdos/atividades doprojeto podem ser consultados no site https://bibliotecaaemaximi.wixsite.com/eles-movem-se.

  

Nesta webquest, realizámos várias atividades em grupo - quizzes, jogos em que utilizámos várias

ferramentas digitais e recursos como o telemóvel, o tablet e o computador. Eu gostei do facto de cada grupo ter criado um logótipo próprio, dos vários jogos associados ao livro "História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar" e, principalmente, de ter aprendido tanta coisa de uma maneira tão diferente e inovadora.

                                            Luana Oliveira, 7º4

Adorei este projeto!

As atividades, nas várias disciplinas (Português, Geografia e Cidadania e Desenvolvimento), ajudaram-me a enriquecer o meu nível cultural. Para além disso, utilizamos várias ferramentas digitais o que tornou as aulas mais dinâmicas e motivadoras.

                         Gonçalo Prata, 7º4

 

 

  • Projeto 10 Minutos a Ler – em parceria com o Plano Nacional Leitura – pretendeu-se desenvolver nas crianças e jovens o gosto pela leitura e pela aquisição dos hábitos leitores. O Agrupamento envolveu-se neste projeto, desenvolvido desde o pré-escolar ao 12º ano. As crianças e os jovens tiveram, diariamente, cerca de 10 minutos para dedicarem à leitura. O impacto positivo do projeto refletiu-se no número de requisições de livros para leitura que cresceu exponencialmente.

foto2_10Minutos_aler.jpg

 

 

  • Projeto Sentir, cheirar, saborear, ler… foi pensado para incluir alunos com algumas especificidades, com o objetivo de levá-los a realizar aprendizagens através do recurso a vários suportes de leitura que implicam a atividade sensorial. As atividades foram pensadas em conjunto com a Educação Especial no sentido de corresponderem, efetivamente, às necessidades de cada indivíduo. Centraram-se numa vertente funcional de modo a proporcionarem experiências com utilidade prática.

 

  • Projeto Miúdos a Votos - em parceria com a Rede de Bibliotecas Escolares e a Visão Júnior – os alunos foram envolvidos na eleição dos livros que consideraram mais atrativos. Cada turma que aderiu ao projeto (T10, T12,6º 2, 9º3, 9º4, 9º5) escolheu um livro e fez propaganda para que fosse o mais votado pelos eleitores (1º, 2º e 3º ciclos). Este envolvimento cívico dos alunos na projeção do livro demonstrou ser uma forma atrativa de conciliar os jovens com a leitura. Paralelamente, desenvolveram competências no âmbito da participação cívica, pois foram os responsáveis pelo desenvolvimento de todas as etapas do processo eleitoral.

foto3_miudosavotos.jpg

 

 Estes são alguns dos projetos escolhidos para dar a conhecer o trabalho que a equipa da Biblioteca desenvolveu com a esperança de, cada vez mais, chamar os jovens à leitura. Todos sabemos que, se queremos combater as desigualdades sociais e construir uma sociedade mais equilibrada e equitativa, temos de reunir esforços para que a educação seja para todos. É preciso, então, reinventar diariamente a escola para garantir a todos as mesmas oportunidades de aprender. Nesta reinvenção, a BE sabe que tem um papel importante para desempenhar no seu dia a dia.

                                                                                                          Coordenação da BE

 

“No Poupar está o Ganho”

O projeto “No Poupar está o Ganho”, promovido pela Fundação Cupertino Miranda promove, através de atividades lúdico-pedagógicas, o desenvolvimento de competências associadas à educação financeira.

A participação neste projeto da turma dois, do primeiro ano, do Centro Escolar de Gondizalves, deveu-se ao desafio proposto pela NUTIII Cávado e revelou-se muito positiva. Os alunos gostaram muito de resolver os desafios propostos e mostraram-se muito curiosos em relação às temáticas desenvolvidas. Estas compreenderam as noções de necessidades e desejos, a organização dos orçamentos familiares tendo em consideração as despesas e os rendimentos e ainda os meios de pagamento.

Com este projeto, os alunos a realizaram aprendizagens que se revelarão úteis ao longo da sua vida.

Professora Maria João Faria

 

foto4_1ºano_turma2CEGondizalves.jpg

1º ano, turma 2 CE Gondizalves 

 

“Pensar Globalmente. Agir Localmente!”

No Jardim de Infância da Naia, este ano letivo, o Projeto Curricular desenvolvido incidiu na estratégia de Educação Para a Cidadania do AE de Maximinos – “Pensar Globalmente. Agir Localmente!”

E, assim, nasceu a necessidade de orientar os processos de aprendizagem para consciencializar e formar as crianças como cidadãos ativos, uma vez que as crianças de hoje serão responsáveis pelo desenvolvimento global de amanhã.
Entendeu-se a importância de, no ensino, preparar as crianças para o terreno, desenvolvendo um exercício de cidadania informada, atenta e responsável.

 Através das plantas e legumes, trabalhou-se a autossustentabilidade do meio local.

Ao trabalhar esta temática, articularam-se todas estas dimensões, com vista à transdisciplinaridade da Área do Conhecimento do Mundo e ao conceito de “sustentabilidade”, pois o mesmo encontra-se diretamente relacionado com o desenvolvimento económico e com o aproveitamento de recursos naturais, de modo a que se possa garantir o desenvolvimento sustentável.

A colaboração dos pais e encarregados de educação foi muito importante para darmos início à nossa horta escolar. Estes momentos de envolvimento e de convívio têm um caráter pedagógico muito importante, permitindo um envolvimento parental de duas gerações (pais e avós) cujo contributo é decisivo para os processos de aprendizagem e de partilha com as crianças.  

Educadoras Lélia Granjo, Lucília Rocha e Nídia Sofia Matos

 

Reciclagem

A reciclagem é fundamental na preservação e na melhoria de nosso planeta! Esta é a temática do nosso projeto de sala.

A reciclagem é capaz de reduzir a acumulação progressiva de resíduos e a produção de novos materiais, como, por exemplo, o papel, cujo fabrico exigiria o corte de mais árvores.

As crianças do Jardim de Infância do CE Maximinos, utilizaram a técnica da reciclagem no aproveitamento de papel de jornal, transformando-o em folhas que foram utilizadas para o postal do dia do pai. Desta forma, contribuíram para a preservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável, minimizando fatores negativos em relação à vida do nosso planeta.

Educadora Maria José Lopes

Foto6_CEMaximinos.jpg

CE Maximinos

 

 

 

Selva de Emoções

O papagaio é inoportuno.

A tartaruga é assustada.

O elefante é trombudo.

A serpente anda sempre chateada.

A formiga é solidária.

O mosquito é rezingão.

A preguiça é preguiçosa.

E o macaco é muito trapalhão.

A girafa é arrogante!

O camaleão é tímido e dissimulado.

A abelha é generosa.

A arara é elegante e ruidosa.

O leão é corajoso.

O coelho é carrancudo.

O crocodilo é protetor.

O pavão é colorido e vaidoso.

O burro é teimoso.

A vaca é meiga.

O urso é guloso.

A raposa é matreira.

A hiena é sorridente.

O cão é fiel

e o mocho é sábio e inteligente.

 

Nesta selva de emoções

O ser humano é, de todos,

o que gera mais confusões!

Muitas vezes é trapalhão e pouco organizado.

Nem sempre cuida dos seus

e anda sempre muito zangado!

Com os animais podemos aprender…

Todos juntos temos que conviver!

 

Texto coletivo – Turma 12, 3º ano, EB1 Gandra, Ferreiros

 


CatarinaMendes63

Catarina Mendes 6º3

 


Escola, a minha segunda família

 

A Escola é a minha

Segunda família,

Onde passo a maior

Parte do dia.

 

Onde passo a maior

Parte do dia,

Com amigos

E muita alegria!

 

Ter amigos

E muita alegria,

Com a amizade,

Fazemos magia…

 

Com a amizade

Fazemos magia,

E essa magia

Transforma-se em energia.

 

Com esta energia,

Eu quero crescer

E ser, para todos,

Uma amiga a valer!

 

Depois do recreio

Entramos para a sala,

Onde vamos ter

A nossa aula.

 

As nossas aulas

São muito instrutivas.

Tanto que aprendemos

Até não termos dúvidas…

 

E é este o meu texto

Sobre a escola, a minha

Segunda família,

Todos em harmonia!

Íris Rodrigues, turma 3, 4.º ano, CE de Gondizalves


JoanaGomes63

Joana Gomes 6º3

 


 

 When I´m stressed from a school work , I try to reduce my anxiety by listening to music, watching my favourite films and reading my favourite books .

In the morning , when I have tests or oral presentations , I set aside ten minutues to relax alone in silence.

At night I like doing a mascara for my skin and have a good shower. When i go to bed I feel very relaxed and ready for the next challenges . If one my friends tells me he/she is stressed , or nervous , or anxious , I like to share what I do to relax.

Ana Margarida Fernandes, 9º2


 

The best way to relax from school

Everyone deals with stress in different ways and to relax from that stress, especially from school work, I like to play my “just get the vibe” playlist on spotify or a chill random playlist when i get home.

I love sleeping and taking really long and warm baths after a full school day. Studying isn’t a bad thing though, putting all the new knowldege on a paper or exercise is actually a good way to relax from school.

Following those weeks of tests I like to hang out with some friends, for exemple going to the cinema or going for a walk in Avenida Central at the weekends. It is a good way for me to forget about my responsibilities.

Carolina Lisboa, 9º1


  

The best way to relax from school work

In my opinion, the best way to relax from school work is hanging out with my friends and family. If you want to relax, watch a movie, go to the cinema, talk with your family, sleep, eat, do whatever you like, because that is the best way to relax. Close your eyes and forget everything, imagine yourself in Miami.

To relax you need to take time for you, put your mobile phone far from you and enjoy the moment. When I´m stressed, I go to the kitchen and I start cooking, or I go shopping with my friends.

I only do things that I like.

                                                                                                Matilde Rocha, 9º1

 


 

 CatarinaGomes65

Catarina Gomes 6º5

 


 

Na minha família, eu, a minha mãe e o meu irmão não somos batizados. Por isso, embora a minha mãe goste da arquitetura das igrejas, nunca ouvi falar de religião em casa. Antes, não sabia o que era a religião (Cristianismo/ Islamismo). Quando andava no pré-escolar, lembro-me que vinha uma senhora falar da história de Jesus, mas nunca associei essas histórias ao que aprendi agora nas aulas de HGP. A minha DT, que é professora de HGP, numa aula sobre o Império Romano, falou-nos de religião. E a professora fazia perguntas como: “Qual é o Deus? Qual é o livro sagrado? Qual é a Cidade Santa? Quantas partes tem o livro sagrado?”, etc.…

Como eu não sabia nada, encolhia-me toda para que a professora não me perguntasse alguma coisa.

Mas agora já sei que existem várias religiões, e que Portugal é um país cristão.

Além do Cristianismo, também aprendi as mesmas coisas sobre o Islamismo e gostei de aprender.

                                                                                                                 Luce Loritte, 5º2


 

Chamo-me Érica, tenho dez anos e tenho 5 irmãos.

A minha família é bastante grande, os meus pais vieram da Roménia.

O primeiro Rei da Roménia foi Alexandre João Cura, em romeno Alscandru Juan Cura; a Roménia é um país independente desde 1859.

Nas aulas de História e Geografia de Portugal, a minha turma estudou as religiões: Cristã, Católica, Islão, etc, porque estudámos o Império Romano e os Muçulmanos.

Na aula, eu disse que era Evangélica Cristã, que, na minha casa, cada um tem a sua Bíblia e que a lemos todos os dias. A professora deixou-me trazer a minha Bíblia para a aula e eu li um salmo, o Salmo de David. Os meus colegas ouviram com atenção, mas não perceberam nada porque a minha Bíblia está em romeno.

Eu adoro a professora e as aulas que ela dá.

                                                                                                                 Érica Iroftei, 5º6


 

Maria_Morais_6º3.jpg

 

Maria Morais 6º3

 


 

 

Querido diário!

Devido à Covid-19, estou em isolamento social desde o dia 13 de março de 2020. O governo decretou estado de emergência porque a Covid-19 é uma doença muito contagiosa e, por isso, temos de estar isolados e obedecermos ao que a DGS nos recomenda. Já estou cansado de estar trancado em casa. Sinto-me triste porque não posso sair, nem brincar na rua nem estar com os meus amigos. Também me sinto revoltado porque há pessoas teimosas e irresponsáveis que continuam a sair de casa, não cumprem as regras da DGS e contribuem, assim, para a propagação do vírus.

Em março, no início da quarentena, o tempo passou rapidamente, pois estive a estudar e a fazer as fichas da escola. Em família, aproveitámos para falar das dificuldades na escola e sobre o que se passava no Mundo.

Nas férias, também estudei, mas com menos frequência. Ocupei o meu tempo a fazer puzzles, a conversar com os meus amigos por chamada e a participar nas tarefas de casa. Ajudei a minha irmã a fazer o bolo para oseuaniversário, mas ela não pôde fazer a festa com os amigos.

Agora continuo a não poder ir à escola, mas eu gosto das aulas que os professores estão a dar pelo Google Meet, e do “Estudo em Casa” que dá na RTP Memória. É uma forma diferente de aprendermos. Oiço todas as pessoas a dizer que agora temos todo o tempo do mundo, mas eu acho que é mentira. Eu e a minha irmã temos o tempo todo ocupado com a escola e os meus pais com o teletrabalho. Estamos todos juntos, mas acabamos por estar isolados. Não sei quando isto irá acabar, mas tenho de pensar positivo e desejar que seja em breve.

Ivo Silva, 8º2  

 


 

 

Beatriz_Costa65.jpg

Beatriz Costa, 6º5

 


  

Este isolamento tem servido de aprendizagem para mim e para todos. A importância das pessoas e dos afetos faz-nos perceber quem é importante para nós. Estou a aprender muito. Aprendi a dar valor às pessoas e a pequenos gestos. Até da rotina da escola sinto saudades, de coisas a que não dava valor e agora dou. Aprendi a pensar no próximo, a dar mais valor a certos detalhes e afetos pelas pessoas, a observar mais as coisas e a estar mais atento ao que se passa no dia a dia.

Os meus sentimentos são de saudade, amor, consciência da ignorância que tinha pelas coisas a que não dava valor, medo de perder pessoas próximas preocupação. Nunca pensei dizer que tinha saudades da escola. Agora que estou em casa, gostava de estar na escola, mesmo tendo de acordar cedo. Isto fez-me lembrar um tema de que falámos numa aula de Físico-química, os afetos e a importância deles. Agora sinto o valor e a importância de um simples abraço, de um beijo ou de um aperto de mão. Sinto a falta de coisas simples, coisas de que não sentia necessidade.

Em casa, sinto-me um pouco como os animais dentro das jaulas, preso. Preciso de ser livre, apanhar ar de vez em quando, dar uns passeios, fazer umas caminhadas.

Estamos numa situação que não está fácil para nenhum de nós e devemos ficar alerta, devermos ter cuidado com a higiene própria e dar graças por estarmos bem de saúde, pois há muitos a sofrer. Estamos em casa para que isto não se agrave, não se espalhe mais, para que seja valorizada a dedicação das pessoas que estão a trabalhar e a salvar vidas e também a procurar uma possibilidade de cura para todos nós. Orgulho-me dessas pessoas que arriscam a sua vida para ajudar outros. É uma coisa que me faz dar valor à vida.

Por outro lado, ver pessoas que reagem com ignorância, com egoísmo e sem respeito pelos outros, saem à rua sem motivo ou reclamam por estar em casa, faz-me sentir raiva e vontade de lhes fazer ver como estão erradas.

A minha rotina em casa tem sido chata, não tenho muito a fazer, repito o mesmo todos os dias, até comer, às vezes, se torna um pouco chato. Acordar, comer, ver televisão, fazer exercício físico, estudar e ter aulas. Mas é melhor estar nesta situação do que a sofrer num hospital ou em casa sem poder ser visto por um médico.

Celso Barbosa, 8º2

 


 

        

Estar fechada em casa obrigou-me a ter uma nova rotina. Não vou para a escola, pelo menos fisicamente, desde o dia 13 de março. Isto até tem as suas vantagens, porque posso dormir um pouco mais, mas passo os dias todos fechada e já não consigo distinguir claramente a semana do fim de semana.

Sinto-me triste por não poder estar com o resto da minha família, tal como os meus avós, os meus primos e tios e também os meus amigos.

Os meus pais continuam a trabalhar e, por isso, há dias em que me sinto sozinha. Sinto-me aborrecida por não poder sair. Apenas saio para levar o lixo, mas, mesmo assim, parece que estou num apocalipse ZOMBIE! Não se vê ninguém na rua. Assusta-me um pouco que isto dure muito tempo.

Talvez esta pandemia tenha um lado positivo: a maior parte das pessoas está em casa, não usa o carro para se deslocar, as fábricas produzem menos e isto irá contribuir para a diminuição da poluição no planeta.

Margarida Rodrigues, 8º2


 André_Welte65.jpg

 André Welte, 6º5

 


 

20/04/2020

Querido diário!                                                                 

Estou em isolamento social há algumas semanas e já tenho saudades de todos os meus amigos, da minha família e até da escola. Tenho que admitir que foi estranho habituar-me a esta nova rotina em casa, com aulas online, dança…Estou muito agradecida pela minha família estar bem e espero que continue assim.

Tenho imenso tempo livre, os dias parecem todos iguais e o tempo passa devagar, o que me dá mais oportunidades para fazer exercício, ver séries, filmes, cozinhar com a minha mãe, estar aqui a conversar contigo, enfim, fazer coisas de que gosto.

Tudo isto será uma grande lembrança no futuro. Recordar-me-ei das saudades que tive, do que senti e do que aprendi. Damos mais valor às coisas e à nossa liberdade quando não as podemos ter. Pode parecer que não, mas acabamos sempre por aprender algo até nos piores momentos.

Está a ser difícil, mais para uns do que para outros, mas, com o tempo, iremos superar tudo o que está a acontecer. Estou extremamente grata aos profissionais de saúde que batalham para salvar vidas, pelo que são homenageados com palmas e música aqui na minha rua. 

Espero que esta triste fase passe rápido… 

Margarida Correia, 8º1

 

 


 

 

 

July_Silva65.jpg

 July Silva, 6º5

 


 

 

Meu querido diário!

Hoje é dia 13 de março e começou o estado de emergência em Portugal.

Nos primeiros dias, fiquei feliz, porque não iria para a escola e estaria em casa assim como todos os estudantes, mas, com o passar dos dias, começou a ficar entediante, porque não havia nada de interessante para fazer em casa. Então, comecei a fazer atividades novas, a experimentar receitas de sobremesas e também fui aprofundando a minha técnica de desenho e de pintura.

Este isolamento fez-me pensar o quanto é importante estar com as pessoas de quem gosto e isso afetou-me muito psicologicamente. Tentei manter contacto com elas, mas, obviamente, não é a mesma sensação de estarmos juntos.

Ao longo do tempo, fui fincando sem motivo para acordar no dia seguinte. Fico angustiada porque não sei o quanto isto vai durar: dias, semanas, meses, ou até anos… eu não tenho a certeza de nada do que irá acontecer.

Isso fez-me pensar que tenho de aproveitar a vida ao máximo porque, num piscar de olhos, pode acabar tudo, inclusive a liberdade de sair de casa. Isto fez-me refletir sobre as pessoas que realmente se importam comigo e se preocupam como o meu bem-estar. É a elas que tenho de me agarrar com todas as minhas forças porque essas pessoas é que se importam, e são boas para a minha vida e para a minha saúde mental.

É este o ensinamento que eu tiro desta experiência tão difícil.

Rafaela Ferreira, 8º1

 


 

Pendant les premiers jours de confinement, j'étais calme pour rester à la maison, mais après un certain temps, je me suis sentie très découragée de ne pas voir mes amis, de ne pas pouvoir aller aux endroits que j'aime, mais je m'y suis habituée.

Je cherche des choses à faire car je m'ennuie encore un peu tous les jours. L'une des choses que je fais le plus c’est regarder beaucoup de films. Je peux regarder plusieurs films par jour et c'est vraiment bien pour passer le temps.

Lívia Alves, 8°3

 


 

Pendant ce confinement
 je me sens anxieuse,
 agitée,
nerveuse,
agacée.

Je me sens seule,
j’en ai marre,
je suis déprimée et pessimiste.

Je ne veux plus être à la maison!

J'aime quitter la maison, j'aime voyager,
 j'aime être avec mes amis et avec ma famille,
 j'aime être libre,
 j'aime vivre.

Je ne veux plus être à la maison!

Je fais les mêmes choses tous les jours,
 j'étudie,
je danse,
 je regarde la télévision,
 je mange et je dors.

Je cuisine,
j’aide,
je lis et j’écris.

Je ne veux plus être à la maison!

                                                                                                          Matilde Rocha, 9º1

 


 

 

Le confinement c’est une expérience très effrayante, pour moi. J’espère pouvoir rentrer à l´école et parler face à face avec mes amis rapidement.

Je me sens déprimé et seul, mais avec ma famille ces sentiments disparaissent et je me sens heureux.

Pendant le confinement, j’étudie et j’aide mes frères à étudier, je joue aussi à de nombreux jeux, je fais beaucoup d´exercice physique pour ne pas retourner à l´école avec quelques kilos en trop.

J´espère revoir tous mes amis avant la fin de l´année.

Matheus, 9º2

 


 

 

 

 

sige3.png

insmusica.jpg

Quer inscrever o seu filho/a no 1º ano turma de Iniciação Musical , do 1º ciclo? Clique aqui:

Escolher o  AEMaximinos. Porquê?

 

logoErasmus.png

ESCOLACOMVIDA.jpg

Agarre em Si. Invista no seu futuro!
Nós também somos Qualifica!

Mais informações em www.qualifica.gov.pt

Ficha de inscrição

ecoescolasLogo.jpg

bloggerLogo.png facebookLogo.png

CartazCB2019.jpg

entidade fse

ModeloA3_POCH.jpg